Logotipo Biotec AHG

Uvas geneticamente modificadas na África

Imprimir .
Os cientistas do Instituto de Biotecnologia do Vinho na Universidade de Stellenbosch, África do Sul, desenvolveram diversas linhas de plantas transgênicas da uva (Vitis vinifera) com maior resistência aos fungos patogênicos. Estas linhas serão testadas no campo para determinar a estabilidade do transgênico, e para avaliações da própria vinha. A fim de evitar a dispersão do transgênico no ambiente, as flores das plantas transgênicas serão mantidas dentro de sacos para conter o pólen, e as uvas serão cobertas por uma rede para impedir a dispersão das sementes.

Os testes que começam neste fim de ano serão conduzidos numa localidade de 930m2. As variedades em teste, resistentes às doenças das lavouras locais, fazem parte do Programa de Biotecnologia da Uva, criado pela instituição sul-africana há oito anos. Até o momento, não existem uvas transgênicas disponíveis comercialmente na África do Sul.

Diversas linhas de plantas geneticamente modificadas de uva têm sido desenvolvidas neste programa e o desempenho destas plantas está sendo avaliado atualmente sob condições fechadas, isto é, em estufas. A estabilidade dos transgênicos foi confirmada sob estas circunstâncias e estas plantas requerem agora uma avaliação mais ampla sob condições do campo.

Os experimentos de campo são o único método eficaz para avaliar exatamente o desempenho transgênico da planta de uva por causa das condições sazonais de campo e a capacidade de floração acaba sendo extremamente pobre destas plantas sob condições da estufa o que não acontece em meio aberto. As plantas transgênicas serão inseridas em porta-enxertos não transgênicos com 7 a 8 anos de idade.

O objetivo da experimentação de campo proposta é avaliar a estabilidade e a expressão a longo prazo dos transgênicos introduzidos na uva sob condições normais do campo. As plantas para cultivar (de uva (Vitis vinifera) Sultana e Chardonnay da família Vitaceae) com um gene repórter introduzido, uidA, codificando para beta-glucuronidase (GUS) sob o controle de um promoter constitutivo do vírus do mosaico da couve-flor (35S-CaMV) serão avaliadas. 

A enzima GUS converte a coloração do substrato num composto azul em um simples ensaio de laboratório e é usado como um “repórter” ou o “marcador” para caracterizar a expressão do gene nos tecidos que foram modificados geneticamente com sucesso. Os pesquisadores propoem monitorar a expressão do gene repórter GUS para confirmar a estabilidade da expressão do gene no campo.    A experimentação de campo proposta será a primeira de seu tipo que envolve plantas de uva na África do Sul e será o primeiro estágio de um número de liberações experimentais para avaliar o desempenho de plantas transgênicas de uva sob condições normais do campo. Não há atualmente nenhuma uva geneticamente modificado nem produtos derivados de uvas transgênicas comercialmente disponíveis na África do Sul.

  
22/10/2006
 

 © Biotec AHG 2012  - Todos os direitos reservados -  Rua Dr. Melo Alves, 529, cj. 82. Cerqueira César. São Paulo - SP. Cep: 01417-010